Paris: Governador busca atração de investimentos franceses

O governador Tarso Genro palestrou, nesta terça-feira (06), em Paris, no jantar anual da Câmara de Comércio do Brasil na França (CCBF), logo após encontro que com o presidente francês, François Hollande. O chefe do Executivo gaúcho falou, no sentido de motivar o maior intercâmbio comercial, tecnológico e de investimento, para mais de 300 convidados, entre os quais o presidente da Renault-Nissan, Carlos Ghosn, que atualmente preside a CCBF.

Tarso destacou que o Rio Grande do Sul é o quinto Estado brasileiro que mais exporta para a França e o sexto que mais importa. As exportações, em 2011, cresceram 139,35% em relação a 2010 e, as importações, caíram 13,83% no mesmo período. Com relação ao Brasil, a França é o 14º principal destino das exportações brasileiras e a 10ª origem das importações.

“No Brasil, a recomposição do papel indutor do Estado, combinada a uma política de juros adequada do Banco Central, obteve avanços significativos nas áreas econômica, social, cultural, ambiental e internacional que permitiram ao país ingressar em um novo ciclo de desenvolvimento econômico e social”, afirmou o governador.

Ao destacar a estratégia nacional com o Programa Brasil Maior, Tarso detalhou a Política Industrial do Rio Grande do Sul, voltada a 22 segmentos produtivos, tanto da economia tradicional como da nova economia, a exemplo da indústria naval e do setor eólico. O investimento nos Parques e Polos Tecnológicos e a aplicação de recursos na qualificação profissional local (Pacto Gaúcho Pela Educação), também foram registrados como itens da política de Estado que vem sendo implementada em território gaúcho.

“Acreditamos que entes subnacionais podem formular, dentro da estratégia do Governo Federal políticas de desenvolvimento bem-sucedidas estabelecendo, inclusive, colaborações internacionais que não eram passível de serem realizadas antes do processo de globalização que está em curso.”

Tarso Genro disse que assumiu a condução do Estado, em 2011, com o desafio de retomar o desenvolvimento econômico e social, em consonância com o processo nacional, criando as condições para um modelo regional de desenvolvimento tecnologicamente qualificado e socialmente equilibrado, através da reafirmação da ação estatal.

Economia
Orador principal da solenidade, o governador explicou que, no Rio Grande do Sul, está sendo articulado um Sistema de Desenvolvimento Econômico, a partir de um conceito participativo com todos os segmentos, reunindo esforços de atores dos governos do Estado, Federal, e municipais, dos setores privado e cooperativo, instituições de representação de empresários e trabalhadores, além de outras instituições da sociedade civil associadas ao desenvolvimento da indústria, à inovação e à promoção do comércio exterior.

Ao detalhar esta articulação, o chefe do Executivo gaúcho disse que diante da crise dos países centrais é necessário um novo tipo de relacionamento e colaboração que se paute não pelo “proveito dos países mais fortes economicamente, mas pela reciprocidade nas vantagens obtidas no comércio mundial e na complementaridade das relações industriais”.

Explicou também a força da economia tradicional gaúcha, como a produção de calçados e a agroindústria. O terceiro parque industrial do país, principal produtor brasileiro de implementos agrícolas, de implementos rodoviários e ônibus, biodiesel, automação e vinhos e espumantes, com 90% de toda a produção nacional, foram traços do perfil econômico listados por Tarso. Ele destacou ainda o percentual de 69% da eletricidade gerada no Estado a partir de fonte limpa, e a nova fronteira de produção eólica, possibilitando a emergência de um grande mercado e alternativa para a diversificação da matriz energética.

O RS tem cerca de R$ 30 bilhões em investimentos privados, dos quais R$ 24,4 gerenciados pela Sala do Investidor, espaço facilitador de negócios criado pelo Governo do Estado. Entre os investimentos constam os R$ 25 milhões da empresa francesa Alstom Wind, anunciados recentemente para a unidade de Canoas, para a produção de hélices para o setor eólico. O governador aproveita sua estada na França também para uma visita à direção da empresa, na quinta-feira (08).

Solenidade
“O fluxo do comercio bilateral aumentou e as empresas francesas cada vez mais apostam nos investimentos brasileiros. São boas perspectivas de uma cooperação múltipla e de resultados muito promissores”, registrou o presidente do Conselho de Administrador da CCBF, Philippe Lecourtier, ao abrir a solenidade. Ao apresentar o governador, destacou sua atuação como prefeito de Porto Alegre na promoção do Orçamento Participativo, além de sua atuação como ministro da Educação e da Justiça no Brasil durante o governo do presidente Lula.

“É uma satisfação estar aqui nesta noite intercambiando projetos e reflexões”, declarou a ministra da Justiça, Christiane Taubira, que representou o governo francês na solenidade. O jantar teve ainda a presença do jogador Raí que apresentou os objetivos da fundação social por ele criada.

Durante o evento, foram homenageados o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaff, e o presidente do Grupo Casino, Jean-Charles Naouri, cujo prêmio foi entregue por Tarso Genro. Anualmente, a CCBF destaca uma personalidade francesa e outra brasileira pelas contribuições à promoção do comércio e investimentos entre os dois países. A CCBF foi criada há três anos por iniciativa do embaixador do Brasil na França, José Maurício Bustani, que convidou o governador para a atividade que estimula o intercâmbio entre as duas nações.

Por Site governo RS.