Seminário de prefeitos, prefeitas e vices do PT

Pref e vices 2012 (480x320)

Para informar e atualizar os administradores municipais sobre o modo petista de governar e as principais políticas federais e estaduais, o PT gaúcho realizou no domingo passado (25) um seminário com seus prefeitos, prefeitas e vices eleitos em outubro. Participaram o governador, secretários de Estado, ministros, ex-prefeitos e a direção partidária.

Em sua exposição, o presidente do partido no estado, Raul Pont, afirmou que a gestão democrática e participativa é o modo petista de governar, “que vincula o cotidiano das pessoas a um projeto estratégico”. Ele sustenta que a democracia participativa, ao mesmo tempo em que “é um poderoso sistema de planejamento, dentro dos limites orçamentários”, é um instrumento politizador da sociedade, que passa a compreender os mecanismos de destinação do dinheiro público. É “revolução democrática, que cria consciência, fundamental para a transformação social” e aponta para uma nova institucionalidade, para além dos limites da democracia meramente representativa.

A ministra Maria do Rosário, da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, e o ex-ministro, ex-governador e ex-prefeito Olívio Dutra falaram da relação entre as bandeiras históricas do partido e sua materialização através das políticas públicas desenvolvidas por nossos governos. “Nós governamos para toda a sociedade”, disse Maria do Rosário, “mas iniciamos cada ação pelos que mais precisam”. Olívio observou que “o projeto nacional não se viabiliza se não debulharmos o problema no município. É fundamental saber ligar as peculiaridades do município com o projeto nacional, para podermos alterar substancialmente a realidade de brasileiras e brasileiros”.

Políticas públicas
Parafraseando José Hernández em seu famoso poema Martin Fierro, Tarso Genro disse que “mais por experiente do que por sábio” quis transmitir aos prefeitos e prefeitas algo do que aprendeu como prefeito de Porto Alegre e governador do estado. “Nem tudo o que vocês desejam fazer conseguirão realizar no primeiro ano de governo”. Além de fazer o planejamento dos quatro anos e organizar as finanças e o sistema tributário, “prioridade das prioridades”, sublinhou, “escolham uma prioridade para o primeiro ano, que tenha enorme empatia com a cidade, visibilidade e aceitação”. Ele lembrou que em Porto Alegre o PT sempre governou com minoria na Câmara de Vereadores, mas “através do OP a população acreditou na Administração Popular e nos possibilitou obter a hegemonia”.

 

O ministro Pepe Vargas, do Desenvolvimento Agrário, Francisco Veríssimo, da Secretaria de Assuntos Internacionais da Presidência da República, e Samy Kopit, da diretoria do BNDES, apresentaram programas do governo federal de apoio às administrações municipais, encontráveis no site oficial www.portalfederativo.gov.br.

 

Com o mesmo objetivo, os secretários da Fazenda, Odir Tonollier, da Educação, José Clóvis de Azevedo, do Planejamento e Gestão, João Motta, a diretora da Secretaria da Saúde, Sandra Fagundes, e o presidente da Fundação de Recursos Humanos, Jorge Branco, apresentaram as políticas de suas áreas e os programas do governo do Estado desenvolvidos em conjunto com os municípios ou através destes.

Numa síntese, aí está o desafio de uma nova gestão: a materialização nos municípios da visão do Estado como indutor de crescimento com redução das desigualdades sociais e regionais, com participação popular, conceitos que chegaram à administração pública a partir dos governos petistas.

 

Nova direção da Associação
Ao final do seminário foi eleita a nova direção da associação dos prefeitos, prefeitas e vices do PT no estado: a vice-prefeita de Alegrete, Maria de Fátima Mullazzani (Preta); o prefeito de Taquari, Manoel Hassen de Jesus (Maneco); o vice-prefeito de Ijuí, Ubirajara Teixeira; o prefeito de Alvorada, Sérgio Bertoldi; o prefeito de Vacaria, Elói Poltronieri; o vice prefeito de Venâncio Aires, Giovani Wickert; e o prefeito de Candiota, Luiz Carlos Folador.