Dilma fala sobre espionagem dos EUA

Dilma (480x321)

A presidenta Dilma Rousseff disse nesta sexta-feira (6), em São Petersburgo, na Rússia, que o presidente dos Estados Unidos, Barak Obama, se comprometeu a assumir a responsabilidade direta pela investigação das denúncias de espionagem a dados pessoais dela, de assessores e de cidadãos do Brasil. Os dois presidentes tiveram um encontro bilateral ontem (5), paralelo às atividades da 8ª Cúpula do G20, países que englobam as maiores economias mundiais.

“Obama assumiu responsabilidade direta e pessoal pela investigação das denúncias de espionagem”, disse Dilma antes de embarcar de volta para o Brasil. “O presidente Obama se comprometeu a responder ao governo brasileiro até quarta-feira (11) o que ocorreu”. Dilma disse informou ainda que vai propor, na ONU, durante a Assembleia Geral das Nações Unidas, no dia 24 de setembro, em Nova Iorque, “uma nova governança contra invasão de privacidade”. Durante coletiva à imprensa antes de embarcar, Dilma também informou que “o Brasil não reconhece uma ação militar na Síria sem a aprovação da ONU”.

Segundo a presidenta, sua primeira visita com honras de chefe de Estado aos Estados Unidos depende do desdobramento do caso e das explicações dadas pelo governo norte-americano. “A minha viagem a Washington depende das condições políticas a serem criadas pelo presidente Obama”, disse.

No último dia 2, Dilma sinalizou com a possibilidade de adiar ou até mesmo cancelar a visita, marcada para 23 de outubro. Ontem, o Planalto confirmou o cancelamento do envio, a Washington, da equipe formada por funcionários da Presidência da República, responsável por preparar visita.

O avião da presidenta decolou de São Petersburgo por volta das 16h (9h em Brasília). Dilma voltou antes do fim da cúpula para participar do Dia da Independência, comemorado em 7 de setembro. A previsão é que ela chegue ao Brasil no fim da noite de hoje.

Da Agência Brasil