Em entrevista, Dilma defende a Reforma Política

Por Mariana Zoccoli, da Agência PT de Notícias

A presidenta Dilma Rousseff defendeu, em entrevista à GloboNews divulgada sexta-feira (11), uma mudança radical nas práticas eleitorais do Brasil. Para ela, isso só será possível por meio da reforma política, que fará o País avançar na ética, no controle de gastos e na responsabilização de pessoas.

Para ela, a reforma do sistema político eleitoral brasileiros, proposto pelo PT, deve ser feita com a participação da sociedade. Para isso, Dilma defende a realização de um plebiscito. A partir de então, haverá maior participação do cidadão, melhoria do sistema político brasileiro, fortalecimento a democracia e garantia de maior transparência ao processo eleitoral.

“Nós temos que mudar radicalmente as condições das práticas eleitorais. Para isso, o Brasil precisa fazer um plebiscito. Desde as manifestações de junho do ano passado, nós propusemos um pacto pela reforma política e pela participação popular”, lembrou a presidenta.

Dilma citou a Lei da Ficha Limpa, que determina casos de inelegibilidade e prazos de cassação, para exemplificar a necessidade de mudança no processo eleitoral brasileiro. “Não é possível que um dia de diferença permita ou garanta que a pessoa concorra às eleições”, explicou.

Reforma Política – Para a reforma, é necessário colher pelo menos 1,5 milhão de assinaturas para levar ao Congresso Nacional um Projeto de Iniciativa Popular. Com isso, será possível convocar uma Assembleia Nacional Constituinte exclusiva e, desta forma, a população poderá ser consultada sobre os pontos fundamentais do processo.