Olívio Dutra participa de sabatina na TV Ulbra

olivio-ulbra (2)

Com Informações do Portal Terra e do Sul21

Foto: José Luis Zasso/PTRS

Olívio Dutra, pré-candidato ao Senado pela Unidade Popular pelo Rio Grande, foi entrevistado ontem (30/06) no programa ConexãoRS da Ulbra TV, apresentado pelos jornalistas Guilherme Rockett e Fernando Perdigão, com a participação dos jornalistas Samir Oliveira (Sul21) e Letícia Heinzelmann (Portal Terra). Em quase uma hora de conversa, Olívio falou, entre outros vários temas, sobre as manifestações no ano passado, a Lei Antiterrorismo, a Reforma Política, a Desmilitarização da Polícia, além da intervenção nas empresas de ônibus e a polêmica com a Ford.

“Acho que faltou maior radicalidade”, diz Olívio Dutra, sobre intervenção no transporte coletivo de POA

Candidato ao Senado pelo PT, o ex-governador do Rio Grande do Sul e ex-prefeito de Porto Alegre Olívio Dutra entende que a intervenção promovida nas empresas de ônibus da Capital durante sua gestão deveria ter sido ainda mais profunda. “Eu não fui o primeiro. O Brizola e o Ildo Meneghetti também fizeram intervenções. Nossa intervenção quis pegar mais na raiz os problemas do transporte coletivo. Até acho que faltou maior radicalidade para aquela intervenção ter um desenvolvimento melhor”, pontuou.

Em 2013, a situação do transporte público foi o principal motor para os protestos de rua em Porto Alegre, que acabaram se massificando e se expandindo para o resto do país, sempre tendo como pauta inicial as tarifas de ônibus nas cidades. Para Olívio, os protestos foram positivos. “Acho importante que o povo tenha ido para as ruas. É importante que o povo se manifeste, não só para apoiar o governo”, considerou.

Caso Ford

“E eu faço questão de enfrentar esse debate, que é o destino do dinheiro público. (…) A nossa visão de desenvolvimento pro País e pro Rio Grande é um desenvolvimento sustentável, descentralizado, que valoriza as vocações locais (…) Então, se o dinheiro público é escasso, ele não pode ir para quem já tem maior capacidade competitiva, os poderosos nacionais ou internacionais. O dinheiro sendo escasso tem que ser direcionado para quem mais precisa: são os pequenos, micros, médios empreendedores, em todos os setores e regiões.”.

Reforma Política, Manifestações e Desmilitarização da Polícia

Olívio definiu a Reforma Política como um dos pontos centrais da campanha, e defendeu a articulação dos movimentos sociais e partidos para a construção do Plebiscito para a Reforma Política, mediante a convocação de uma Constituinte exclusiva e soberana. Ao ser perguntado sobre a Lei Antiterrorismo, Olívio se colocou contrário: “Essa lei está equivocada e foi feita muito em cima de emoções, e eu acho que não é assim que se resolve o problema, dando aspecto de criminalização do movimento social.” O candidato diz achar “importante que o povo tenha ido às ruas” e para isso, defende “uma polícia bem formada, bem articulada, com quadros profissionais, agindo não com base na repressão”, e afirma: “Sou pela desmilitarização das polícias. É uma discussão importante que a gente quer levantar num mandato no Senado”.