Educação: – RS melhora desempenho e sobe para segundo lugar no Ideb

Educação RS

 

O Rio Grande do Sul pulou de décimo para segundo lugar no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), no período 2011-2013. Sua nota passou de 3,4 para 3,7 Os dados foram anunciados nesta sexta-feira (5) pelo ministro da Educação, Henrique Paim e pelo presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), Chico Soares.

Os índices indicam melhoria da educação da rede estadual de ensino do Rio Grande do Sul nos três níveis avaliados. Com os resultados de 2013, o Ensino Médio da rede estadual saltou oito posições, passando do décimo para terceiro lugar entre as redes estaduais brasileiras. Na nota de Proficiência – provas de língua portuguesa e matemática – o desempenho dos estudantes estaduais conquistou o primeiro lugar, com nota 4,72.

Ao serem analisados os dados referentes às redes estaduais brasileiras, nos Anos Iniciais, o Ideb passou de 5,1, em 2011, para 5,5 em 2013; nos Anos Finais, de 3,8 para 3,9; e no Ensino Médio, que passou de 3,4 para 3,7 em 2013. Este é o melhor IDEB da rede estadual desde a criação do Índice, em 2005.

Nos Anos Iniciais, a rede estadual do RS alcançou a meta estabelecida pelo MEC para o ano de 2015. Nos Anos Finais, ao analisar o indicador relacionado ao resultado da prova, atingimos o 2º lugar no país (Nota 5,07).

Com estes resultados, o Ensino Médio da rede estadual saltou oito posições, passando do décimo para o segundo lugar entre as redes estaduais brasileiras. Na nota de Proficiência – provas de língua portuguesa e matemática – o desempenho dos estudantes estaduais conquistou o primeiro lugar, com nota 4,72.

Reestruturação curricular
O Secretário de Estado da Educação, José Clóvis de Azevedo destacou, em entrevista nesta sexta, que a melhoria reflete o resultado da reestruturação curricular, pois foi obtido um significativo aumento na taxa de aprovação, passando de 66,3% em 2011 para 73,5% em 2013, com destaque para o 1º ano do Ensino Médio, que aumentou 9,5%.

Além disso, Azevedo ressalta que os resultados positivos também se devem à introdução da pesquisa no currículo escolar, a investimentos crescentes na educação estadual – recuperação de espaços físicos de escolas, mais recursos para equipamentos e mobiliário, maior investimento na formação de professores e modernização tecnológica da rede. A reestruturação curricular na rede estadual também foi feita nos anos iniciais do Ensino Fundamental.

Sobre os resultados insatisfatórios para o ensino médio, o Ministro Henrique Paim manifestou ser uma unanimidade dentro do governo que é preciso rever o ensino médio. “Temos ações no MEC, em conjunto com os Estados”, disse. Segundo ele, o governo precisa pactuar os currículos com os gestores locais, que têm autonomia. “A novidade é que, com o PNE [Plano Nacional da Educação], o MEC tem que coordenar esse processo. O MEC vai trabalhar para construir a base nacional comum”, diz ele. Paim afirmou que os esforços mais antigos, feitos nos anos iniciais do ensino fundamental, surtiram efeitos, o que “faz com que nós possamos ter uma perspectiva de melhora nos anos finais e no ensino médio”.

“Estamos evoluindo”, diz Tarso

O governador Tarso Genro foi informado quando acompanhava a presidenta Dilma no parque de exposições Assis Brasil, em Esteio. Através do Twitter ele comentou: “Durante a abertura [da Expointer], recebi a informação do resultado do IDEB: Rio Grande do Sul subiu sete posições. Passamos do 10° para o 3º lugar”.

Ele considerou que o “resultado do IDEB confirma que estamos evoluindo na qualidade do ensino, valorizando os profissionais, reformando e modernizando escolas. É gratificante ver o Rio Grande do Sul voltando a ocupar os melhores lugares na Educação do país. Vamos em frente!”

Tarso ainda lembrou que os profissionais da Educação têm recebido muito apoio do governo, em promoção, respeito à categoria e atendimento às suas reivindicações. Ainda no Twitter ele comentou: “Magistério tem garantido mais 13% [de aumento salarial real] em novembro. Gasto público justo”.

Indicador de qualidade
O Ideb é o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica, criado em 2007, pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), formulado para medir a qualidade do aprendizado nacional e estabelecer metas para a melhoria do ensino. Funciona como um indicador nacional que possibilita o monitoramento da qualidade da Educação pela população por meio de dados concretos, com o qual a sociedade pode se mobilizar em busca de melhorias.

Para tanto, o Ideb é calculado a partir de dois componentes: a taxa de rendimento escolar (aprovação) e as médias de desempenho nos exames aplicados pelo Inep. Os índices de aprovação são obtidos a partir do Censo Escolar, realizado anualmente.

As médias de desempenho utilizadas são as da Prova Brasil, para escolas e municípios, e do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb), para os estados e o país, realizados a cada dois anos. As metas estabelecidas pelo Ideb são diferenciadas para cada escola e rede de ensino, com o objetivo único de alcançar 6 pontos até 2022, média correspondente ao sistema educacional dos países desenvolvidos.