Viva a militância. Viva a vitória da Dilma. Não haverá 3º turno.

Dilma Presidente

O PT gaúcho saúda a militância pela vitória nas urnas. Vencemos no Brasil graças a nossa luta consciente que defendeu o projeto que transformou o País, ampliou oportunidades, alavancou a economia, deu voz e vez para a classe trabalhadora e tirou o Brasil da linha da miséria. Vencemos porque soubemos dialogar com cada vizinho, amigo, familiar e com a sociedade riograndense. Fizemos uma campanha com alegria, confiança e com a certeza de estarmos fazendo a boa luta.

Mais do que agradecer o trabalho militante de milhares de gaúchos e gaúchas, agora precisamos empreender talvez uma das mais importantes lutas que o Partido dos Trabalhadores vai travar, realizar as reformas necessárias. Desafio importante para consolidar a democracia representativa no Brasil. Para isso precisamos, mais do que nunca, mobilizar a sociedade e junto com os movimentos populares garantir a realização da Reforma Política, a urgente Democratização da Mídia, a Reforma Tributária, Urbana e Agrária.

Foram 2.9997.360 votos dados pelo povo gaúcho para eleger Dilma Presidente, quase a metade do eleitorado do Rio Grande do Sul. No Brasil, foram 54.501.118 votos, dados no PT. Então, podemos comemorar o resultado desta eleição que confirmou o nosso partido, por mais quatro anos, à frente do poder, para comandar e conquistar as mudanças reivindicadas pelos brasileiros e brasileiras. Comemorar a vitória do povo latino-americano e a vitória do legado deixado por Lula.

O momento é de unidade e de afirmação de nossa conquista. Que nos recolocou, legitimamente, na Presidência da República. Não haverá 3º turno.

No Rio Grande, reconhecemos a vitória de nosso oponente, mas não saímos derrotados, porque está na história do Partido dos Trabalhadores o compromisso com a luta por uma sociedade mais igual. Enganam-se aqueles que acham que vamos para casa. Estaremos, a partir de janeiro, fazendo o que sempre fizemos, uma oposição propositiva e pronta para dialogar. E, junto com os movimentos sociais, estaremos atentos, nas ruas, no parlamento, para não permitir retrocessos nas políticas públicas que fizeram avançar e melhorar a vida de milhares de gaúchos.
Sendo milhões…

Poderíamos ter desistido quando éramos escravos.
Poderíamos ter desistido, também, quando éramos servos, quando éramos proletariado sem acesso aos direitos básicos, quando éramos estudantes em universidades sucateadas, quando não tínhamos o que comer.

Quando acordávamos e nossos salários não compravam cesta básica e a prestação de uma moto, quando não tínhamos sequer energia elétrica ou uma escola técnica para colocar nossos filhos.

Poderíamos ter desistido, sim, se fôssemos poucos.

Mas quando colocamos estrelas no peito, vestimos vermelho, empunhamos bandeiras, percebemos que na verdade somos milhões. E sendo milhões, e sendo tão fortes, tão esperançosos – não…não desistimos.

Sendo milhões não desistiríamos, não desistimos e não desistiremos.”

Poema de Raoni Fernandes, militante do PT de Rio Grande do Norte.