PT gaúcho abre ETAPA ESTADUAL do 5º Congresso

Vanazzi

Financiamento de campanha deu o tom na abertura do 5º Congresso do PT/RS

Lideranças do Partido dos Trabalhadores do Rio Grande do Sul abriram, neste sábado (30), a fase estadual do seu 5º Congresso, no plenário da Câmara de Vereadores de Porto Alegre. Os delegados e delegadas presentes irão debater, durante todo o dia, conjuntura, apresentar e defender as teses, votar resoluções e possíveis moções.

Os discursos de abertura deram o tom do evento, com destaque para o fim do financiamento privado de campanha. O Presidente Estadual do partido, Ary Vanazzi acredita que a atividade deva apontar o caminho da revitalização e da construção de um discurso que mantenha o legado do partido de esquerda, socialista e democrático para nos dar as condições de apontar um caminho seguro para orientar as lutas de classe. “Precisamos ainda avançar na democracia interna do partido em seus elementos fundantes. Para isso, temos que voltar a raiz da nossa construção partidária, de formação política, de debates com a base, voltar a enfrentar, com o discurso ideológico – que nos define e nos diferencia – a luta das políticas do dia a dia. E continuar na luta pelo fim do financiamento empresarial de campanha, de financiamento dos partidos, que privatiza a luta política que deve ser do povo”.

O presidente de honra do PT/RS, Olívio Dutra, falou da importante tarefa do partido de aprofundar sua estratégia de esquerda e retomar a força que é sua militância. “Temos três gerações de militantes que representam  todas as etapas do partido, os mais velhos com sua experiência, aqueles que estão no protagonismo das direções e a juventude que nos provoca e nos ensina. É daqui que precisamos tirar força e avançar no nosso projeto estratégico de partido de esquerda, da transformação”.

Já, o Ministro da Secretaria de Direitos Humanos, Pepe Vargas avaliou as conquistas nos governos do PT, com Lula e Dilma, e alertou para a contribuição do partido ao governo federal. “O PT deve orientar e apontar, junto com os movimentos sociais e partidos aliados, o governo federal na construção de políticas públicas e sociais para continuarmos avançando e sairmos da crise”, declarou.

Salientando a riqueza do plenário com a representação dos movimentos sociais, sindical e de vários segmentos de luta, Miguel Rossetto, Ministro da Secretaria Geral da Presidência da República falou da força do partido com sua história de lutas, seu compromisso com a democracia. “Por tudo isso, somos o presente transformador e temos responsabilidade de fazer com que o programa eleito em outubro de 2014 seja realizado. Para isso, o PT precisa demonstrar sua força política junto com os movimentos sociais, no parlamento e assim acumular  forças junto ao povo brasileiro para avançar e fazer mais”.

O líder da bancada do PT na Assembleia Legislativa, Luiz Fernando Mainardi defendeu o fim do financiamento privado de campanhas eleitorais e o aperfeiçoamento dos processos de escolha das direções partidárias. “Temos um dilema pela frente, ou o nosso partido se transforma e volta as suas origens ou já terá cumprido seu papel na história política brasileira, apesar de todas as conquistas econômicas e sociais, como a criação de 22 milhões de novos empregos e da inclusão de 38 milhões de pessoas na classe média”. Estiveram também presentes no evento, os parlamentares Adão Villaverde, Edegar Pretto, Zé Nunes, Valdeci Oliveira, Altemir Tortelli e Tarcísio Zimmermann.

A bancada federal esteve representada pelo Deputado Federal, Elvino Bonh Gass que falou da disputa da direita conservadora de tentar impedir o avanço do país. “Quem contrata a banda é quem paga a música, se os empresários deste país continuarem financiando as campanhas são eles é quem continuaram mandando”.

“Nosso partido, junto com o PT, têm trilhado o caminho da renovação e das mudanças profundas na política do Brasil. Estivemos na eleição de Lula, e na eleição de Olívio Dutra como governador do Estado” afirmou o representante do PCdoB e ex-deputado estadual, Raul Carrion. Estiveram também presentes na abertura da atividade a Nova Central Sindical, CTB, CUT e CPERS.

foto Roger da Rosa