Ato pela democracia e contra o golpe reúne mais de 60 mil em Porto Alegre

Mais de 60 mil pessoas ocuparam as ruas em torno da Esquina  Democrática em Porto Alegre para apoiar e defender a democracia, o mandato da presidenta Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula nesta sexta-feira (18).

O slogan “Não vai ter golpe, vai ter luta” e o hino nacional foram os mais entoados durante a manifestação pacífica, sem nenhum incidente, que contou com   lideranças como os ex-governadores Tarso Genro e Olívio Dutra, o sociólogo Emir Sader, vários deputados estaduais e federais.

Caravanas de vários municípios, trabalhadores do campo e da cidade, homens e mulheres de todas as idades e de todas as raças, integrantes de movimentos sociais, lideranças sindicais, do movimento estudantil, parlamentares de partidos que apoiam o governo federal seguiram em passeata até o Largo Zumbi dos Palmares.

Rio Grande se levanta pela Legalidade novamente
“Mais uma vez o Rio Grande do Sul se levanta para defender a Legalidade e o Povo Brasileiro”, destacou o presidente da Central dos Trabalhadores do Brasil no RS, Guiomar Vidor. Na mesma linha, ressaltou o presidente da Central única dos Trabalhadores, Claudir Nespolo, “a Rede Globo tem que saber respeitar eleição. Por trás  desse ataque estão os direitos dos trabalhadores que precisam ser respeitados. Esta Esquina não é do golpe, esta Esquina é da Democracia”, concluiu.

Deixar a Dilma governar
Em cima do caminhão de som instalado na Esquina Democrática, a deputada estadual Manuela D’Ávila (PCdoB) disse que todas as bandeiras que tremulavam naquele instante refletiam a luta pela  democracia. “Somos todos homens e mulheres que lutaram contra um golpe. Daqui pra frente, todos os dias são de luta e para garantir nossas conquistas. A nossa coragem é a de quem luta há 500 anos pela democracia no Brasil”, afirmou Manuela, para quem a solução para a crise no país “é deixar a Dilma governar”. Um dos manifestantes ainda complementou dizendo: “E deixem o Lula trabalhar!”.

Respeitar as eleições e os direitos conquistados
O cientista político e sociólogo, Emir Sader, presente ao ato “Em defesa da Democracia”, veio dar os parabéns ao povo brasileiro e ao do Rio Grande do Sul, em especial. “Vamos lutar, porque não vai ter golpe”.

“Estamos aqui lutando para combater o preconceito e a violência fascista que está nas ruas, mas vamos dar a eles uma aula de Democracia”, conclamou o ex-governador do RS, Tarso Genro. Ele complementou destacando a importância de se respeitar as eleições, e o voto de todos os brasileiros. “Não semeamos o ódio sectário que acaba com  o respeito das famílias. Vamos resistir e vamos vencer. Não passarão. Estamos nas ruas, e nas lutas”, finalizou.

Globo e o golpe de 1964
O presidente do Partido dos Trabalhadores no RS, Ary Vanazzi, lembrou os vários anos de militância e político-partidária. “Nunca imaginei que, depois de tantos anos voltaria à Esquina Democrática para defender a democracia.” Em discurso inflamado, ele disse que a burguesia golpista do Congresso Nacional já sabe o que vai fazer em relação ao processo de impeachment. “E a Globo é o principal aliado deste golpe, assim como foi em 1964. Mas não vão fazer isso em 2016”, sentenciou.

Vanazzi conclamou todos que são contra o golpe em curso a fazer mobilizações em todo o estado, em cada município, em cada bairro. “Vamos ganhar a consciência do povo em cada canto deste Estado”, afirmou o dirigente petista.

Em nome dos parlamentares do PT falou o deputado estadual Adão Villaverde. Afirmou que os manifestantes estavam ali para defender Lula e Dilma, o Estado de Direito e a Democracia. Villaverde foi uma das primeiras lideranças a puxar o coro de “Não vai ter golpe, vai ter luta!”

Sem retrocessos
“Se alguém tinha dúvida de que lado estão os sem terra, nós estamos do lado da democracia”, afirmou Cedenir  de Oliveira, um dos coordenadores do MST no Rio Grande do Sul. Para o Movimento, “não tem retrocesso, não tem golpe! Estamos juntos pra defender a democracia. Gostamos de uma boa briga”, lembrou o líder dos sem terra.

Representando o Movimento Estudantil (UNE – União Nacional dos Estudantes), Giovane Culau disse que de Norte a Sul e de Leste a Oeste do Brasil os estudantes estão unidos em favor da Democracia. “Esta terra tem um povo que enfrentou a ditadura. Nós não cansamos de lutar”, afirmou o líder estudantil.

 

Com faixas, cartazes, bandeiras de partidos políticos e dos movimentos sociais, os manifestantes começaram a ocupar a Esquina Democrática um pouco antes das 17h, horário marcado para o início do ato. Até às 20h, a multidão permaneceu na atividade. Depois, seguiu em passeata até o Largo Zumbi dos Palmares, no bairro Cidade Baixa.

Durante os pronunciamentos das lideranças, os manifestantes eram embalados por refrãos a favor do governo, contra os golpistas e em particular as manipulações promovidas pela Rede Globo de Televisão. “Sou brasileiro, é pra valer. Não vou deixar este golpe acontecer”, avisaram os manifestantes. E mais, “Lula guerreiro do povo brasileiro”, “o povo está aqui pela democracia; é hora de lutar”, “o povo não é bobo, abaixo a Rede Globo”.

Aconteceram atos em todos os estados brasileiros e no Distrito Federal nesta sexta-feira (18), a favor da democracia e do mandato da presidenta Dilma e pró Lula.

Roger da Rosa – Jornalista (MTE 6956/RS)
Patrícia Duarte – Jornalista (TEM 7684)

foto Tina Griebeler – Jornallista (MTE 5131)