Datafolha: Lula sobe, tucanos despencam e cai apoio ao impeachment

lula-brasil

Uma nova pesquisa do Instituto Datafolha divulgada na noite deste sábado (9) mostra que o ex-presidente Lula (PT) subiu em todas as projeções para as eleições presidenciais de 2018. Lula lidera todos os cenários ao lado de Marina Silva (Rede). A mesma pesquisa indica crescimento das pessoas que estão contra o impeachment da presidenta Dilma Rousseff (PT), e uma queda das que estão a favor.

No primeiro cenário projetado pelo Datafolha para 2018, Lula teria 21% dos votos. Marina ficaria com 19%, Aécio Neves (PSDB) com 17%, Jair Bolsonaro (PSC) com 8% e Ciro Gomes (PDT) com 7%. Nesse quadro, Aécio tem perdido votos sucessivamente. Na última pesquisa, em 17 de março, o tucano tinha 19%, enquanto Lula tinha 17%.

No segundo cenário, com Geraldo Alckmin concorrendo pelos tucanos, Lula também apresentou crescimento, de 17% para 22%. Já Alckmin caiu de 11% para 9%. Em um terceiro cenário, com José Serra concorrendo pelo PSDB, Lula também subiu de 17% para 22%, enquanto Serra caiu de 13% para 11%. Já no último cenário, com os três tucanos juntos, Lula se descola do restante e aparece com 21%, em franca liderança.

Sobre o impeachment, o Datafolha indica que houve um crescimento de 27% para 33% das pessoas que estão contra o impeachment e uma queda de 68% para 61% das que estão a favor.

Lula também cresceu em outra pesquisa.
Quando questionados sobre qual foi o melhor presidente da história, 40% responderam que foi Lula, um crescimento de 5 pontos percentuais em relação à última pesquisa feita em março. Fernando Henrique Cardoso aparece em segundo lugar, com 14%.

Mesmo com os ataques diários sofridos na mídia, o governo da presidenta Dilma teve uma melhora de sua popularidade. As pessoas que avaliam seu governo como ótimo/bom subiram para 13%, aumento de 3% em relação à última pesquisa. Já 63% avaliam seu governo como ruim/péssimo, uma queda de 6 pontos percentuais.

Para o levantamento, foram realizadas 2.779 entrevistas em 170 municípios. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.