“Os que rasgarem a Constituição não dormirão em paz”, diz dirigente do MST

Coleetiva

Direção da Frente Brasil Popular concede entrevista coletiva no Acampamento da Legalidade e democracia na tarde desta quinta-feira (14), na Praça da Matriz.

Como seria um país com a presidenta impedida, após um golpe rasgar a Constituição com um processo que atenta contra o Estado Democrático de Direito ?

Para Cedenir de Oliveira, coordenador do Movimento Sem Terras, será uma nação destituída de regras democráticas que terá agravada a instabilidade política com a consequente ampliação da crise econômica. “Quem rasgar a Constituição tem que se dar conta que este cenário de caos social, com resultados imponderáveis, se voltará contra eles mesmos”, disse o dirigente, na coletiva de imprensa organizada pela Frente Brasil Popular e Frente Povo Sem Medo, realizada sob o sol forte da tarde de hoje (14), no centro da Praça da Matriz.

Nas palavras de outros dirigentes que compuseram a mesa do ato como Cleonice Back da Fetraf/RS, Guiomar Vidor da CBT,  Neiva Lazaroto do PSol, Ary Vanazzi do PT/RS, Claudir Nespolo da CUT/RS e Abigail Pereira do PCdoB, circundada por deputados do PT Stela Farias, Adão Villaverde, Luiz Fernando Mainardi, Altemir Tortelli, Nelsinho Metalúrgico e Zé Nunes, e pelos manifestantes que estão em vigília no Acampamento da Legalidade e da Democracia, o povo não ficará omisso e a luta em defesa da democracia dos direitos dos trabalhadores e do Brasil  tomará conta das ruas, escolas e fábricas. No campo e na cidade o povo se levantará em defesa da democracia e da justiça social.

Mas a maioria não acredita que o impeachment será vitorioso na votação na Câmara dos Deputados. “Não vai ter golpe, já tem luta”, entoaram os participantes a cada resposta à indagação de jornalistas. “Parte do povo já entendeu que este impeachment é golpe, organizado pelos corruptos que querem acabar com as investigações, tornando vitoriosa nossa resistência, principalmente nos corações e mentes dos brasileiros defensores da democracia.

Na nota oficial distribuída à imprensa há um claro recado aos promotores do golpe: “Cabe registrar que até aqui só o lado da democracia continua enterrando seus mortos”. Cedenir acrescentou: “os que rasgarem a Constituição não dormirão em paz”.

Claudir Nespolo, presidente da CUT/RS, conclamou a todos para as programações de mobilizações dos próximos dias, com marchas e vigílias até domingo quando o acampamento será desmontado para dar lugar ao povo que ocupará a Praça da Legalidade.

NOTA À IMPRENSA

As Frentes Brasil Popular e Povo Sem medo vem à público dirigir-se à população gaúcha afirmando que vivemos no Brasil um momento histórico e político da maior gravidade que põe em risco o Estado Democrático de Direito.

Desde o final do segundo turno das eleições de 2014, setores da oposição que perderam as eleições não deram trégua ao Governo eleito. Unidos aos interesses de setores do grande capital, da mídia, de setores do judiciário e da polícia federal, patrocinados por empresas brasileiras e do exterior interessadas na quebra da soberania nacional e na entrega de nossas riquezas e patrimônio como o Pré-Sal, geraram uma crise política sem precedentes na história recente do país.

Foram fomentados discursos e atitudes de ódio e de inspiração fascista com intuito de intimidar as forças populares e o cidadão mais simples.

Mas reagimos e parcela significativa do povo entendeu que este Impeachment é Golpe, tornando vitoriosa nossa resistência nas cidades e no campo por todo o país, mas principalmente nos corações e mentes dos brasileiros e brasileiras defensores da democracia.

Esta disputa no último período ficou explicitada ao insistirem na narrativa do Impeachment sem crime de responsabilidade, dando corpo e forma ao golpe institucional liderado por dois personagens sem qualquer legitimidade. Um Eduardo Cunha citado inúmeras vezes em delações da Lava Jato e com provas de corrupção e lavagem de dinheiro coordena este processo ao lado de Michel Temer, o vice que conspira e trai, querendo chegar sem voto à Presidência da República.

Nos últimos dias, diante da derrota nas ruas, nossos adversários por meio de uma campanha massiva de mídia capitaneada pela Rede Globo de Televisão impetraram uma guerra psicológica, tentando vender a ideia de que o Golpe está consumado e que o impeachment será vitorioso no próximo domingo.

O desespero manifesto em supostos vazamentos, e nos anúncios de apoio de bancadas partidárias, tentam esconder que a oposição até o momento não tem os votos necessários para derrubar uma Presidenta democraticamente eleita por mais de 54 milhões de votos. Na verdade, o que está em curso é uma grande armação para livrar os verdadeiros corruptos – todos eles empenhados no golpe do impeachment – com um ataque irresponsável à democracia e aos direitos do povo.

Nós não recuaremos! Os movimentos sociais organizados e os partidos do campo democrático e popular, somados à coragem e à vontade de milhões de brasileiros e brasileiras defensores da democracia, derrotarão o Golpe!

Na próxima sexta-feira, dia 15, e no domingo dia 17, ocuparemos as praças, ruas, estradas, fábricas, escolas e universidades para dar uma resposta em alto e bom som: O Golpe Não Passará!

Se rasgarem a Constituição, este ato aprofundará a instabilidade política com consequente ampliação da crise econômica. Um país sem regras fundadas na democracia terá uma disputa, gerando um caos social com resultados imponderáveis. O povo não ficará omisso e a luta em defesa da democracia, dos direitos do povo e do Brasil tomará conta das ruas, das escolas e das fábricas. No campo e na cidade o povo se levantará em defesa da democracia e da justiça social.

Cabe registrar que até aqui só o lado da democracia continua enterrando seus mortos.

Queremos Paz! Sem Democracia Teremos Luta!