Em dia nacional de luta: – mobilização contra o golpe fecha rodovias no RS

bloqueios1

A mobilização em defesa da democracia, dos direitos sociais e trabalhistas e contra o golpe do impeachment da presidenta Dilma Rousseff, ocorre nesta terça-feira (10) em todo o país. A mobilização continua forte na Região Metropolitana de Porto Alegre e no interior do Rio Grande do Sul. As manifestações foram convocadas pelas frentes Brasil Popular e Povo sem Medo.

Há paralisações em várias rodovias desde a madrugada, como a BR-166, em Sapucaia do Sul, a BR-386, em Nova Santa Rita, a BR-290, em Eldorado do Sul, e a RS-040, em Viamão. Alguns trechos bloqueados estão sendo aos poucos liberados para a circulação de veículos.
Em Sapucaia do Sul, a estrada foi desbloqueada às 9h e as entidades sindicais realizaram um ato público, reforçando a defesa dos direitos sociais e trabalhistas que estão ameaçados pelos golpistas.

Ocorrem também bloqueios em Caxias do Sul, Carazinho, Rio Grande, Pelotas, Santa Maria, Cruz Alta, São Luiz Gonzaga, Lagoa Vermelha, Marcelino Ramos e Santana do Livramento, dentre outras cidades.

Os trabalhadores e os movimentos sociais estão chamando a atenção da sociedade gaúcha para a ilegalidade do processo aberto pelo presidente afastado da Câmara, deputado Eduardo Cunha, e pressionando os senadores a votarem contra a admissibilidade do impeachment no Senado, cuja votação está marcada para esta quarta-feira (11).

Os petroleiros também estão realizando um dia de paralisação contra o retrocesso e a redução de direitos e conquistas sociais que virão no rastro do golpe em curso no país. Escamoteado em um processo de impeachment ilegal, o golpe atingirá em cheio a classe trabalhadora e os menos favorecidos, caso seja aprovado pelo Senado.

Os trabalhadores e movimentos sociais criticaram duramente a cobertura da mídia golpista, que não abriu espaço para entrevistas com dirigentes de entidades. “O que se ouviu nas rádios foram inúmeros comentários preconceituosos contra os protestos dos movimentos sociais com acusações descabidas para manipular a sociedade, o que mostra a necessidade da regulação da mídia para democratizar os meios de comunicação”, afirma o secretário de Comunicação da CUT-RS, Ademir Wiederkehr.

Ao final da tarde, haverá também um ato público, a partir das 17 horas, na Esquina Democrática. Após concentração e pronunciamentos das entidades, será feita uma caminhada no centro da capital gaúcha.

 

 

 

 

 

 

Para o presidente do PT/RS, a intenção destas manifestações em nível nacional, é mostrar a capacidade de mobilização de militantes na véspera da votação da admissibilidade do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff no Senado.

Vanazzi entende que houve um “rompimento institucional no País” e que, por isso, os que defendem a democracia vão pra rua, neste dia 10, fazer mobilizações. “O objetivo nosso é dialogar com a população, distribuir o nosso material e dar elementos finais de que tudo o que está acontecendo no país é um golpe político à constituição”, afirma o líder petista.