Centrais sindicais convocam dia nacional de paralisação

Panfleto-dia-22 CAPA

DSC_8685

“A história é implacável com quem se acovarda”, afirmou o presidente da CUT-RS, Claudir Nespolo, durante a plenária unificada das centrais sindicais, realizada na manhã desta sexta-feira (16), no auditório da Fetrafi-RS, no centro de Porto Alegre.

Ele chamou sindicatos e federações para reforçar a organização do dia nacional de lutas, atos, greves, protestos e paralisações, que acontece na próxima quinta-feira (22) e é apontado como um esquenta para a greve geral contra a retirada de direitos. Ele garantiu que o futuro irá mostrar que “estamos lutando muito contra o roubo de direitos da classe trabalhadora”.

Participaram dirigentes da CUT, CTB, UGT, Força Sindical, Nova Central, Intersindical e CSP-Conlutas. Também esteve presente o senador Paulo Paim (PT-RS), bem como o deputado estadual Adão Villaverde (PT).

Claudir chamou a atenção para os projetos, medidas provisórias e emendas constitucionais, que estão na pauta no Congresso Nacional, como a PEC 241/16, do governo ilegítimo e golpista de Michel Temer, que institui um novo regime fiscal, limitando gastos públicos e essenciais por 20 anos, como saúde e educação. “Eles botam nome bonito – equilíbrio fiscal -, mas a intenção é tirar os pobres do orçamento, já que essas medidas prejudicam a parcela mais pobre da população, o que é muito grave e danoso para a sociedade e o pior é que já está em vias de votação”, protestou.

Para o dirigente da CUT-RS, a democracia não tem valor para os golpistas apoiados pela elite empresarial. “A democracia tem valor para a gente. Por isso, precisamos dialogar com as nossas bases e esclarecer que este é um momento de grande resistência que estamos passando para proteger as nossas conquistas”, salientou.

Ele criticou principalmente as propostas ventiladas pelos ministros de Temer para a reforma da Previdência e os ataques à CLT e à Justiça do Trabalho, como o PLS 030/15 que prevê a terceirização sem limites. “Terceirizar é voltar aos tempos da escravidão”, comparou Claudir.

DSC_8698

“Não temos que pagar essa conta”, afirma Paim

O senador Paulo Paim (PT-RS) também participou da plenária e disse que os setores que deram o golpe já estão mandando a conta para a classe trabalhadora e exemplificou com relatos sobre as dificuldades que as pessoas já estão enfrentando com o avanço do neoliberalismo.

“O negociado sobre o legislado é a volta para o período anterior ao governo Getúlio Vargas e é só mais uma covardia desse atual governo que entrou pela porta dos fundos”, disse o senador, que também enfatizou que “terceirização é trabalho escravo.”

Referente à reforma da Previdência, que aponta para uma idade mínima de 65 anos para homens e mulheres se aposentarem, Paim questionou “o que será dos jovens que estão entrando agora no mercado no trabalho? Terão que contribuir 50 anos para se aposentarem?”

“Eles querem também acabar com a política de valorização do salário mínimo, só que não somos nós que temos que pagar essa conta. São eles que deram um golpe na democracia”, destacou o senador.

DSC_8715

Unidade para barrar os ataques

A defesa da unidade contra os ataques do governo Temer e das federações empresariais e a denúncia da manipulação da mídia golpista foram destacadas pelas centrais.

O presidente da CTB RS, Guiomar Vidor, disse que as centrais se uniram para dar uma resposta à altura do ataque que os trabalhadores estão sofrendo. “Estão privatizando a CLT e precisamos demonstrar neste momento que não vamos aceitar essa reforma nefasta”, afirmou.

Ressaltando a união da classe patronal,  o presidente da Nova Central, Oniro Camilo, frisou que “esses são tempos históricos em que a CLT está sendo jogada no lixo”. Para ele, os trabalhadores precisam se mobilizar unificados para enfrentar a ganância dos  empresários.

“Dia 22 daremos os sinais da nossa revolta e da nossa união. Vamos lutar contra as reformas trabalhista e da Previdência”, garantiu o presidente da UGT, Paulo Back. Ele lembrou a  necessidade de  conscientizar os trabalhadores sobre a importância desse dia.

Para a representante da CSP-Conlutas, Vera Guasso, esse é o maior ataque que os trabalhadores já sofreram e apenas com unidade será possível barrá-lo. “Vamos parar o país nos dias 22 e 29 (dia nacional de luta dos metalúrgicos) e não vamos parar por aí. Esse é apenas o começo da grande greve geral que vamos construir”, enfatizou.

Lembrando a resistência de países da Europa e do Chile contra o avanço das políticas neoliberais e a reforma trabalhista, a representante da Intersindical, Neiva Lazzarotto, afirmou que as centrais não têm uma tarefa fácil. “A luta de classes é brutal e o nosso dever é lutar pelos direitos e derrotar os golpistas”, salientou.

O diretor da Força Sindical, Claudio Correa, salientou a importância da unidade das centrais. “Por mais divergências que haja entre nós, sempre haverá unidade quando mexem com os direitos da classe trabalhadora”, disse.

DSC_8721

Paralisações na Capital e no Interior

O dia 22 promete ser de muita mobilização no Rio Grande do Sul. Em Porto Alegre, haverá concentrações nas garagens dos ônibus, em apoio aos rodoviários, a partir da madrugada, seguidas de colunas que se deslocarão depois em caminhada para o centro da cidade.

Também serão realizados atos e manifestações nas cidades da grande Porto Alegre e no interior do Estado.

“Precisamos orientar a população a não sair de casa no dia 22, a menos que seja para participar das manifestações em defesa dos direitos da classe trabalhadora”, orientou Claudir.

Mobilização total

Milhares de panfletos das centrais sindicais serão distribuídos nos próximos dias aos trabalhadores e à população, convocando o dia nacional de lutas. A partir da tarde desta sexta-feira até o dia 22, ocorrerão entregas de materiais em diversas regiões de Porto Alegre. Carros de som também circularão divulgando as paralisações e orientando que “só saia de casa para participar dos atos, protestos e paralisações”

As centrais também definiram que os sindicatos filiados não abrirão as portas no dia nacional de lutas e que explicarão aos associados os motivos, como forma de ampliar a conscientização dos trabalhadores sobre os interesses que estão em jogo.

Com site da CUT-RS