Dilma Rousseff: “Estaremos ao lado de Lula em Porto Alegre”

entrevista-dilma-780x440

Dilma Rousseff: “Estaremos ao lado de Lula em Porto Alegre”

Em vídeo, a presidenta eleita denunciou o método dos golpistas de usar os meios legais para tentar legitimar o golpe e perseguir adversários
 04/01/2018 14h30 - atualizado às 20h04

A presidenta eleita Dilma Rousseff reforçou, em vídeo publicado na tarde desta quinta-feira (4) no Facebook Oficial do PT, a importância de unir forças no dia 24 pela defesa da democracia e do direito de Lula ser candidato no pleito deste ano.

“Estaremos juntos, todos, em Porto Alegre, ao lado de Lula: O candidato do povo brasileiro à Presidência da República”, disse a presidenta.

Dilma afirmou, ainda, que “uma disputa eleitoral sem a participação de Lula será um brutal golpe na democracia e só servirá para dividir ainda mais o Brasil”.

Ela denunciou que os golpistas “pretendem condenar Lula mesmo na ausência de crime” e reforçou a inocência do ex-presidente, ao mencionar dois documentos robustos com teses que garantem a inexistência de crime por parte de Lula.

Um dele é o livro “Comentários a uma sentença anunciada: O Processo de Lula”, que contém a análise de centenas de juristas, e o outro é “O Caso Lula”, onde há descrita a clara posição dos advogados de defesa de Lula.

Para Dilma, os golpistas utilizam as leis e a máquina judiciária como arma para perseguir e destruir os adversários, conforme fazem contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Ela define a perseguição a Lula como “terceira etapa do golpe”, que teve início com a sua destituição golpista da condição de presidenta da República, para a qual foi eleita democraticamente em 2014 por 55,5 milhões de votos (51,64% dos votos válidos).

De acordo com a presidenta, processo semelhante foi utilizado durante o golpe parlamentar encabeçado porEduardo Cunha e Michel Temer, quando “usaram a lei e os processos legais para usurpar o poder” legalmente conquistado via eleições democráticas.

Da Redação da Agência PT de Notícias