Executiva Estadual repudia violência de gênero

Mulheres-LOGO3

A Executiva Estadual do PT/RS, em reunião realizada na segunda, 21, tomou conhecimento de um episódio de agressão física cometida por dirigente municipal em Jaguarão contra uma companheira de Partido. Por unanimidade, a Executiva Estadual manifesta seu apoio às medidas adotadas pela Comissão Executiva Municipal e sua total solidariedade à companheira que foi agredida. Neste sentido, subscrevemos a Nota de Repúdio da Secretaria Estadual de Mulheres do PT/RS, que publicamos abaixo.

 

NOTA DE REPUDIO
A Secretaria Estadual de Mulheres do PT/RS, repudia qualquer ação violenta contra as mulheres na sociedade brasileira, denunciamos o caráter misógino, machista e fascista do Golpe perpetrado em 2016 que vivenciamos, e seus desdobramentos neste episódio.

Nós, mulheres, estivemos na construção das ações de resistência ao golpe desde o início. Seja nas ruas, a Marcha das Mulheres Negras, a Marcha das Margaridas são exemplos nítidos desse processo. Desde então não saímos das ruas em defesa da democracia e pelo direito de viver sem violência. Uma das pautas centrais dos movimentos de mulheres e feminista brasileiro é o combate à violência de gênero, e uma das palavras de ordem é “Pela Vida Das Mulheres, Nenhum direito a menos”.

Neste sentido, repudiamos toda e qualquer forma de violência contra as mulheres e endossamos a nota do Partido dos Trabalhadores de Jaguarão, que veio a público manifestar repúdio à todas as formas de violência contra as mulheres, tendo em vista a grave e recente agressão a uma de nossas companheiras, protagonizada por um dirigente partidário, neste caso o Presidente Municipal do Partido dos Trabalhadores de Jaguarão/RS. O partido, em âmbito local, tomou todas as medidas conforme determina nosso estatuto, do ponto de vista interno, e do ponto de vista externo, todas as medidas previstas na Lei Maria da Penha estão sendo tomadas desde a denúncia formal até sua judicialização. E a Secretaria de Mulheres do PT Estadual (SEMPT) estará acompanhando o caso.
No Brasil entre 2003 e 2013, o número de vítimas do sexo feminino passou de 3.937 para 4.762, incremento de 21% na década. Essa vitimização de mulheres representa, tendo-se por base o ano de 2013, 13 femininos diários. Pelo Mapa da Violência de 2015, a taxa de feminicídio do Brasil é de 4,8 por 100 mil habitantes. Por isso, comparando com as estatísticas mundiais, o país fica na 5ª posição entre os países em que mais morrem mulheres por feminicídio (WAISELFISZ, 2015).  Nessa década, ficou mais nítida a diferença entre os índices de violências entre mulheres negras e brancas. Enquanto para as mulheres brancas as taxas de homicídios caíram em 11,9%, a de mulheres negras cresceu 19,5%, passando de 4,5 para 5,4 por 100 mil, respectivamente, entre 2003 e 2013.
O Partido dos Trabalhadores necessita reafirmar seu compromisso com as bandeiras históricas de luta pelo Direito das Mulheres e manifesta seu total apoio e solidariedade à companheira vítima de violência em Jaguarão, que já realizou a denúncia do caso nas instâncias competentes, estando inclusive com audiência marcada pela justiça.
Não sairemos das ruas, na luta por uma sociedade livre da violência contra nossas vidas, seguiremos firmes, aguerridas e solidárias com as que sofrem com as desigualdades, violências e discriminações. Estamos e estaremos nas ruas para que a democracia, pela vidas das mulheres e por nenhum direito a menos.

Secretaria Estadual de Mulheres do PT

Executiva Estadual do PT/RS
Rio Grande do Sul, Maio de 2018.